set 01 2010

Fãs de Radiohead lançam DVD gratuito

Category: divulgação,matériaAndrews F.G @ 16:49

Por Priscila Barker às 16:17

Lembra do Projeto Rain Down, idealizado pelo paulistano Andrews Guedis? Parece que os europeus curtiram a idéia e resolveram fazer a sua própria versão do projeto.

Durante o show do Radiohead na cidade de Praga, em agosto do ano passado, cinquenta fãs da banda distribuíram-se no meio da mulditão, filmando tudo em diferentes ângulos. Para deixar o trabalho com uma cara mais profissional, o áudio foi extraído diretamente das mesas de som – e, pasmem, cedido gentilmente pelos próprios músicos. O resultado é impecável!

Assim como o Projeto Rain Down brazuca, o Radiohead: Live in Prague está disponível para download gratuito no site oficial e em diversos formatos. Olha só o trailer, é de arrepiar:

Um presentão de fã para fã.

Link original em: http://movethatjukebox.com/fas-de-radiohead-lancam-dvd-gratuido/


ago 31 2010

[Matéria] Gangrena Diário

Category: divulgação,matériaAndrews F.G @ 17:58

GD 56 EXISTEM ALESIS E EXISTEM THOMS

Quando o Radiohead veio para o Brasil em março de 2009, não apenas uma aura de messianismo pairou sob os ares da Chácara do Jockey, mas também câmeras que registraram toda a apresentação. O que parecia apenas pequenos vídeos distribuídos pela internet, acabou virando um dvd da apresentação toda da banda. O projeto RAIN DOWN conseguiu além de editar e produzir um material de qualidade boa, saciar a saudade que os fãs ficaram depois daquela lacônica saída empacada na Chácara.

Mas parece que os fãs do Radiohead decidiram seguir o exemplo dos brasileiros. No mesmo ano de 2009, mas um pouco depois (agosto), a banda apresentou-se em Praga. Os fãs da banda no melhor estilo faça você mesmo, filmaram toda a apresentação e resolveram montar um dvd com o show. Agora a diferença entre os dois projetos é que o próprio Radiohead cedeu as fitas contendo o audio original do show para que o dvd pudesse ficar com uma qualidade melhor. E não acaba por aí:

Tudo isso de graça!!!!!


A banda não cobrou direitos autorais e os vídeos estarão espalhados dentro da rede sem nenhum custo para ninguém. O projeto do show em Praga já pode ser conferido em vários sítios que hospedam vídeos e o objetivo é montar um dvd e presentear os fãs sem nenhum custo. Aliás o Thom Yorke poderia liberar o audio brazuca também né????

E aí você pensa, aqui no Brasil empresários e cadidatos à deputado enganam pessoas e burlam uma lei estadual da meia entrada, obviamente pelo aumento de seus lucros. Afinal de contas campanha política não é barata e lá fora uma banda abre mão dos direitos autorais em nome dos fãs…..


Escrito por: Fabio Navarro
Link original:


mar 26 2010

[Matéria/ Entrevista] Café de Outubro: Rain Down

Category: entrevistas,matéria,projeto rain downAndrews F.G @ 13:37

Abaixo uma excelente matéria do Danilo Vasques, um grande jornalista especializado em jornalismo cultural, dono do blog Café de Outubro, que pode ser visitado aqui: http://arteejornalismo.blogspot.com/

O André de seu nome é diferente, com WS no final, como faz questão de crivar em seu site oficial (andrecomws.com). Andrews Ferreira Guedis gosta de música e computadores. Toca guitarra numa banda de rock e é webmaster de profissão: atualmente colabora com a versão on-line de um grande jornal de São Paulo. Morador de Itaquera, um dos bairros mais antigos da capital, tinha uns seis anos quando uma banda inglesa chamada Radiohead (algo como “cabeça de rádio”) lançou seu primeiro disco e passou a figurar em dials mundo afora com uma canção denominada “Creep”.


Há pouco mais de um ano, o grupo fez seu primeiro show no Brasil. Pouco demorou para as cenas caírem na internet. E um certo vídeo com trechos da apresentação em São Paulo (Chácara do Jockey, 22/3/2009) se destacou, sobretudo, por conta de sua edição: registros de “Paranoid Android” realizados por câmeras independentes estavam reunidos em um só arquivo. Era o embrião do Projeto Rain Down, encabeçado por Andrews.

O Projeto virou notícia, apareceu na TV e em jornais, contudo, não se limitou à euforia dos primeiros dias pós-shows. Ao contrário, ocupou meses e está próximo do fim, segundo seu idealizador. Rain Down consiste na organização, faixa a faixa, de um DVD completo com as apresentações da banda no Brasil. O show paulista já está disponível desde o ano passado para downloads e também para ser assistido via web. No blog oficial (radioheadraindown.blogspot.com) há links para tal.

apresentação do Radiohead em São Paulo


Trata-se de um processo colaborativo e sem fins lucrativos (pode-se adquirir o show gratuitamente). Cada música conta com gravações realizadas por diversas pessoas que enviaram seus vídeos diretamente para Andrews ou os disponibilizaram pela internet. Ressalta-se que o trabalho de sincronia é exemplar.

Para o espectador, a sensação é de acompanhar o show em meio ao público com as limitações típicas de um registro cujo foco é o alternativo, de fã pra fã ̶ são câmeras pessoais e celulares que inevitavelmente possuem qualidades aquém de uma profissional, além de ser comum cenas levemente trêmulas, contudo, nada que comprometa o conteúdo. Fato: todo o trabalho é feito com respeitável zelo. Ademais, e sumariamente importante, os créditos estão no blog para quem quiser acessar. Até o encarte para o DVD pode ser baixado e impresso por qualquer visitante. Generoso, o disco do show de São Paulo traz ainda extras com algumas músicas tocadas no Rio.

Atualmente, a empreitada consiste na finalização do DVD com a apresentação carioca. Está quase no fim, como Andrews conta, entre outras coisas, a seguir:

Como está o Projeto Rain Down um ano após o show do Radiohead em São Paulo?

O Projeto Rain Down continua a todo vapor, com a mesma proposta de antes, só que desta vez com o show do Rio de Janeiro, para fechar perfeitamente a apresentação do Radiohead no Brasil. Um DVD do Rio será lançado em breve, com o show na íntegra.

As intenções do projeto antecederam o show ou só surgiram após a apresentação?

Nada foi planejado antes do show. A ideia só existiu quando eu mixei alguns vídeos de “Paranoid Android” achados em comunidades do Orkut e coloquei um vídeo no YouTube. A repercussão e os comentários fizeram com que eu continuasse a editar o show todo.

Há um número oficial de quantas pessoas já baixaram o DVD?

É muito difícil estimar esse número, porque o vídeo foi disponibilizado em diversos formatos, inclusive transmissão completa via YouTube, que passa os 21 mil views neste momento.

É possível mensurar o que mudou em sua vida após o sucesso do Projeto Rain Down?

Mudou sim, mas eu continuo fazendo as mesmas coisas que fazia antes e que, na época, poucas pessoas davam bola. Talvez isso tenha mudado: hoje as mesmas pessoas perguntam da minha banda, dos meus projetos e incentivam ambos. Também cresci profissionalmente, tive alguns contatos interessantes com a mídia e estou aprendendo muita coisa. Fora isso, moro no mesmo lugar e continuo sendo o que sou.

detalhe da capa do DVD com o show de São Paulo


Qual a sensação ao ver o DVD pronto, com encarte e tudo?

A coisa mais doida foi ver pessoas fazendo isso, porque quando eu montei para mim, não tinha uma boa impressora e ficou algo bem caseiro. Mas quando vi pessoas me enviando fotos com o DVD, juro que me senti recompensado e emocionado. Não dá pra descrever a emoção, mas é muito legal ver o carinho que as pessoas tiveram com o projeto.

Em sua visão, seria possível o Projeto Rain Down sem ferramentas de compartilhamento como o Youtube?

Praticamente impossível. Tudo começou no YouTube, foi ele a porta de entrada para o primeiro vídeo e para várias outras colaborações dos fãs. Metade dos vídeos utilizados provém dele, ficaria difícil fazer a edição do show sem ele, já que muitos fãs têm dificuldades para enviar seus vídeos ou não têm tempo para isso.

Quantos colaboraram enviando vídeos para o DVD?

Existiram colaboradores mais ativos, que foram em torno de 20 pessoas, e centenas de pessoas mandando vídeos no YouTube ou indicando vídeos espalhados pela internet. Recebi alguns por cartas e e-mail também. Recebi recentemente colaboração internacional vinda do Peru e da Colômbia, para a edição do show do Rio.

O Radiohead, banda pioneira e entusiasta das trocas on-line, se manifestou sobre o Projeto Rain Down? Vocês tiveram contato a respeito?

Não tive nenhuma resposta vinda de alguém do Radiohead, mas acredito que [o Rain Down] deve ter chegado a eles por causa da repercussão, pela divulgação dos fãs na internet e nos canais de comunicação da própria banda. Se um dia o Radiohead pisar novamente por aqui, seria interessante algum jornalista perguntar se eles conhecem ou não o projeto brasileiro.

Chácara do Jockey (SP), 22 de março de 2009



No blog oficial, você comenta que possivelmente o Projeto Rain Down se encerrará após a finalização do DVD com o show do Rio de Janeiro. É isso mesmo?

Sim, após finalizado e lançado o DVD do Rio, estará pronto e assim registrada a histórica apresentação do Radiohead no Brasil em 2009. Creio que não há mais nada que eu possa fazer relacionado ao projeto. O blog e os downloads continuarão lá, para as pessoas baixarem ou lembrarem do show.

E como anda o Refink? Quais os planos? O Projeto Rain Down impulsionou a carreira?

O Refink vai bem, estamos concentrados em gravar nosso primeiro CD independente, sem apoio financeiro ou patrocínio, e queremos lançá-lo de forma livre pela internet e possivelmente unir vídeos a essas músicas. A ideia é gravar as músicas demos agora e depois entrar em estúdio, fazer todo o CD com a melhor qualidade possível. O projeto Rain Down ajudou bastante a banda virtualmente, mas, fisicamente ainda encontramos muita dificuldade no cenário independente, que não abre as portas para bandas honestas como o Refink, principalmente para questão de shows, então, teremos a dura missão de criar uma brecha nesse cenário, livre de modismo, panelinhas e da exploração. Esperamos conseguir e se não conseguirmos, continuaremos a tocar o nosso som da mesma forma.

***



Imagens do show: Daniela Vasques
Capa: Divulgação
Texto por: Danilo Vasques

Fonte: http://arteejornalismo.blogspot.com/2010/03/rain-down.html



abr 16 2009

[Divulgação] Entrevista Nós da Comunicação

Category: divulgação,matériaAndrews F.G @ 14:09

Entrevistas

16/04/2009

INTERNET

Andrews Guedis explica fenômeno colaborativo em blog do show do Radiohead

Marcos Moura

Andrews Ferreira Guedis

O designer Andrews Ferreira Guedis era um dos 30 mil presentes ao show da banda inglesa Radiohead, em São Paulo, em 23 de março. Nos dias seguintes ao evento, ele coletou vídeos feitos por outros fãs do grupo, disponibilizados no YouTube, publicou em nova página no mesmo site e divulgou por comunidades na internet. Inesperadamente, começou a receber dezenas de colaborações, novas imagens, com ângulos os mais variados, que passou a editar e a disponibilizar em um blog. Um fenômeno colaborativo.

O Nós da Comunicação entrevistou Andrews, que é músico e integrante da banda Refink. Ele explica o passo a passo da criação do blog e expõe sua opinião sobre os direitos autorais na web.

Nós da Comunicação – Como surgiu a colaboração das imagens para o blog? De alguma forma você pediu para conhecidos as imagens antecipadamente ou eles foram enviando espontaneamente?
Andrews Ferreira Guedis – Inicialmente eu coletei todos os vídeos gravados por fãs no YouTube, para editar uma versão de Paranoid Android, sem pretensão nenhuma. Depois, publiquei no YouTube e divulguei na comunidade. De cara, já me perguntaram se iria fazer do show todo. Esses mesmos fãs, que não conheço pessoalmente e nem tenho ligação, começaram a me mandar vídeos por e-mail, Orkut etc.

Nós da Comunicação – O fato de o Radiohead ter um passado de ‘colaboração’ via web, por ter lançado um disco na internet, com o público pagando quanto achava justo, de alguma forma o inspirou neste projeto?
A.F.G. – Por um lado sim, mas não é novidade nenhuma o que fiz. Quantas bandas de fora têm shows inteiros filmados por fãs, os famosos “bootlegs”. Isso sempre existiu. E sempre foi distribuído de graça, de fã para fã. O Nine Inch Nails me inspirou, queria ter participado do projeto no qual Trent Reznor, líder da banda, liberou 400 gigas de shows filmados por câmeras e distribuiu para os fãs editarem. Tanto o Radiohead como o Nine Inch Nails têm ideias parecidas nesse sentido. Eu acho que a repercussão foi porque dessa vez aconteceu no Brasil e com uma banda grande como o Radiohead.

Nós da Comunicação – O projeto do blog foi pensado ou o sucesso aconteceu inesperadamente?
A.F.G. – Foi inesperado, eu não queria fazer o show todo. Pensava apenas em pôr as músicas que o canal de TV não transmitiu. Criei um blog logo que vi que existia uma esperança dos fãs para um show inteiro, quando começou a haver uma colaboração muito grande na parte dos vídeos.

Nós da Comunicação – Você espera uma reação negativa relacionada aos direitos de imagem das pessoas retratadas e da própria banda?
A.F.G. – Infelizmente, a repercussão de algo assim sempre gera polêmica. A internet está aí para mudar muita coisa e realmente muitas leis precisam ser repensadas. Estou tendo reações negativas quando se fala da questão legal, mas não do lado da banda, e nem dos fãs, e sim por parte da produtora do show, do canal que transmitiu o espetáculo e da mídia. Eu espero não ter problemas, pois o próprio Radiohead em si me apoiaria. Eu não filmei o show, aquele material todo estava já no YouTube, não creio que serei o alvo, só porque chamei a atenção.

Nós da Comunicação – Você pretende continuar investindo em projetos colaborativos na web?
A.F.G – Sim, tenho projetos com a minha banda Refink, na qual disponibilizo as músicas em mp3 gratuitamente, temos nosso canal de TV, em que mostramos no YouTube várias coisas que acontecem com a banda. Eu estou dentro dessa nova geração, muita coisa envolvendo arte e tecnologia será criada por mim enquanto estiver vivo.

Nós da Comunicação – O que você acha de todas as tentativas de controlar a web, principalmente vindas da indústria de entretenimento?
A.F.G – Todas as tentativas falharam até agora. Napster, The Pirate Bay, censura no YouTube… Elas sempre acontecem, censuram, mas depois retornam, porque quem é o maior interessado é o público. Se um serviço fecha, sempre vem e aparece outro melhor. A indústria em vez de ficar se autodestruindo deveria repensar na forma que distribui seu conteúdo e na qualidade daquilo que vende. Ela não está pronta para a internet, nós estamos muito à frente daqueles que só pensam em ganhar bilhões em cima da gente. Vai dizer que você nunca baixou uma música da internet? Você seria um criminoso? Ah, faça o favor…

As redes sociais são famintas por informação e são muito unidas, não tem como você não achar o que quer. A indústria deve se reinventar, eu não acho certo também você baixar tudo de graça. Vá ao show daquela banda que gosta, de repente, compre o CD, ou pague pelas mp3, o quanto quiser. Vá ao cinema, compre aquele DVD. É questão de se criar algo novo na internet, e demorou para essa “gente grande” acordar.

http://www.nosdacomunicacao.com/panorama_interna.asp?panorama=150&tipo=E

Gostei muito dessa matéria, deu para dar uma esfriada no assunto e voltar o foco ao show do Radiohead. Na realidade, muitos devem estar pensando que a quantidade de matérias e entrevistas que saíram deixaram o progresso do projeto um pouco lento.

Sim, é verdade, mas eu creio que nunca negaria falar um pouco mais sobre eu e o meu trabalho, não posso desperdiçar uma oportunidade dessa.

Vou disponibilizar o DVD para download e os vídeos também, não nesse momento, mas no final do projeto.


« Página anterior